Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2010

Porto de Barcelona

Imagem
A cidade de Barcelona tem um dos portos mais agitados da região mediterrânea. Totalmente reestruturado, a região tem nova infraestrutura, diversificou o uso do entorno, que era totalmente comercial e hoje tem uso misto, além de dinamizar a paisagem da cidade. De longe, é possível ver o hotel Vela e o início da praia da Barceloneta (à esquerda). Esta vista do porto de Barcelona pode ser admirada desde o alto do Montjuic, de onde tirei essa fotografia.

Vistas e miradas

Imagem
Espaço monumental do Parque Guell, projetado por Antoni Gaudi, um dos lugares mais especiais de Barcelona

Pavilhão do Mies

Imagem
a expressão "menos é mais" é demonstrada na arquitetura minimalista Projetado para a Exposição Universal de Barcelona, que ocorreu em 1929, o belo Pavilhão da Alemanha idealizado pelo arquiteto alemão Ludwig Mies van der Rohe é um belo espaço para visitação localizado na Praça da Espanha, e faz parte do meu roteiro de "turismo a pé". O espaço conta ainda com uma pequena livraria com grandes números em arquitetura e souvenir. as poucas paredes do edifício cria um espaço que dialoga com o exterior  O que mais impressiona na arquitetura do edifício é a forte integração fora-dentro e a qualidade dos materiais [mármores duros e esquadrias de alumínio] que deixa o pavilhão com um aspecto de recém inaugurado. O primeiro Pavilhão da Alemanha contruído para a Expo29 foi demolido no ano seguinte. Em 1986 o edifício foi reconstruído no mesmo sítio do pavilhão original, respeitando as técnicas construtivas e os materiais especificados no projeto original de 1928

Barcelona em maquete

Imagem
Em branco: a cidade consolidada. A parte colorida são as novas áreas de alteração de usos O Colorido Distrito @22 com tecnologia e infraestrutura de ponta. (Crédito das fotos: Geovany Silva)

Torre Agbar

Imagem
Entorno da Plaza de Glóries, com viadutos e calçadas estreitas. Posto aqui mais algumas imagens da polêmica Torre Agbar. Símbolo da segunda renovação de Barcelona e também símbolo da especulação imobiliária cheia de boas intenções em melhorar o espaço da cidade. Entorno totalmente desprovido de qualidade urbana Mais de perto, vê-se o sistema sofisticado de proteção solar, porém, ventilação zero.

Jardins da Praça da Espanha

Imagem
Degraus e jardins da Praça da Espanha Num passeio por perto de casa é possível admirar com mais calma o zelo com o espaço público de Barcelona. A subida ao Parque de Montjuic é sempre acompanhada por jardins e fontes aquáticas. Nesse mês estão renovando as luzes das fontes para o Natal. Calçadão da Praça da Espanha

Barcelona em transformação

Imagem
A cidade de Barcelona apresenta hoje importantes parceiras público-privadas como um dos motores estratégicos de superação da crise econômica que assolou a Europa nesses últimos anos. Uma das paisagens novas da cidade é o Distrito @22, na zona do antigo bairro Poblenou e do Parque do Fórum. As transformações dessa área basearam-se na alteração do uso e ocupação do solo da área, para receber hotéis, shoppings e escritórios "inteligentes". O ponto crítico desta grande intervenção de infraestrutura urbana e arquitetônica é a fragilidade social a que a população da área foi submetida, numa transformação espacial repentina com demandas criadas pela iniciativa privada, algumas vezes subsidiada pelo poder público. Assim, o Bairro de Poblenou, por exemplo, teve sua população afastada indiretamente, pois sofreu fortes alterações de uso, e os preços dos aluguéis ditaram um novo perfil do morador desta área da cidade. É curioso observar que este cenário que retratei rapidamente não é al

Tem uma torre no meio do caminho

Imagem
Na subida ao Montjuic pode-se visualizar a cidade de Barcelona iluminada pelo sol amarelado das 17h do outono. Numa das paradas da subida, escolhi um ponto para a fotografia: a partir do átrio do Museu de Arte da Catalunya. No fundo da imagem, vê-se que um dos edifícios tem uma maior destaque pela sua escala diferenciada em relação a cidade planejada por Cerda. Ali no horizonte, marcando [para os favoráveis] ou ferindo [para os desfavoráveis] o perfil urbano [diriam os desfavoráveis] ou o skyline [diriam os favoráveis], está a torre Agbar projetada pelo arquiteto Jean Nouvel. Discórdias a parte, é muito bela a moldura que a cordilheira do litoral [de Collserola] faz ao redor  da concentração urbana da Grande Barcelona, e, nessa vista, há uma torre no meio no caminho que agora provoca o nosso olhar. A polêmica Torre Agbar no skyline de Barcelona

Estádio Olímpico

Imagem
O Estádio de Montjuic é o portal de entrada para o Parque de Montjuic. Foi construído ainda em 1922 e renovado em 92 para receber os Jogos Olímpicos sediados em Barcelona. O seu nome de batismo é "Lluís Companys" embora todos o conheçam por Estadi de Montjuic, uma vez que a região do Estádio é uma das mais famosas das cidade de Barcelona. O estádio fica sempre aberto ao público (gratuitamente se pode visitar uma parte dele), possui ainda cafés e lojinhas de souvenir.

Jardim Botânico

Imagem
Ainda num dia de sol fui visitar o Jardim Botânico, que fica a 30 minutos do meu apê [uma caminhada boa com algumas escadas rolantes de brinde]. O edifício da fotografia é a Escola de Botânica, localizada no ponto do mais ato do Jardim Botânico que é especializado em vegetação mediterrânea. O melhor foi a visita guiada que tivemos orientados pelos paisagistas que projetaram o parque e pelos arquitetos dos edifícios dali, uma aula grátis no dia do "openhouse" que acontece todo ano.

Parque de Montjuic

Imagem
Largo do Parque de Montijuic, ao lado do Palau Sant Jordi. Ainda no começo do outono foi possível curtir o espaço livre público de Barcelona sem muitas roupas e casacos. Num dos passeios que fiz por aqui foi ao Parque Montjuic, sede dos Jogos Olímpicos de 92. Numa análise positiva, vê-se que os jogos olímpicos de Barcelona presentearam a cidade com uma rica infraestrutura, o lado negativo é que alguns dos espaços hoje estão subaproveitados.

Edifícios da Grande Barcelona

Imagem
Os edifícios da "Cidade da justiça" localizados na Grande Barcelona (Hospitalet) tem uma arquitetura admirável. Além de simples e racional, possui uma modulação de esquadrias que agrada aos olhos críticos ao uso excessivo do vidro [pela vulnerabilidade termo-energética que este material dá ao espaço construído], pois usa aberturas verticais que além de proporcionarem boas visuais do exterior, aproveitam a luz natural evitando o sobreaquecimento ou um superresfriamento  do edifício. A implantação do complexo de edifícios está na Gran Via (W), a 20 minutos de bike do meu apartamento (Praça da Espanha). Tem uma ampla infraestrutura de ciclovias, parques e jardins pois a área, que sofreu reformas recentes em Barcelona, recebeu muitos edifícios de escritórios, shoppings e grandes supermercados e alguns edifícios residenciais. A via é eixo de ligação da cidade com o litoral oeste da catalunya e é também a via de chegada deste do Aeroporto Transoceânico do Prat (O principal aeropo

Pomodoros na janela

Imagem
Passeando no entorno dos "jardins da bienal" pudemos apreciar mais canais venezianos, com as suas indiossincrasias venezianas e a gente ia ficando com um olhar meio veneziano [rs]. Vimos tanto ruas "dos fundos" das casas e como ruas com fachadas coloridas e janelas com balcões com flores e tomates. É, isso prova o quanto realmente eles gostam de tomate, são cultivados na varanda como quem cultiva margaridas. O fato é que os tomates italianos são realmente deliciosos, e o tomate veneziano então! hum... Pequeno canal dentro dos jardins da Bienal. Ao lado, uma árvore com intervenção de flores artificiais

Pavilhões da Bienal

Imagem
Os pavilhões da Bienal foram construídos ainda para a primeira exposição universal de Veneza na década de 80. Alguns, como o pavilhão da foto, tem uma bela incorporação da arquitetura com a paisagem natural do parque. Coisas como essa se pensa muito mais se faz ou se vê pouco. Visitamos o interior do edifício, onde também tem há vazios com árvores que atravessam o prédio e um mega-puff no chão para um descanso...

Bienal de Artes e Arquiteura

Imagem
Ainda tinham muitas fotos de Veneza [como já falei: esgotou o limite do meu cartão de memória], mas resolvi mostrar logo um pouco dos "jardins da bienal" e quem sabe depois eu volte a mostrar um pouco mais dais paisagens da cidade. Essas esculturas vermelhas estavam espalhadas na grama e tudo era motivo de mais uma foto. Engraçado que era muito vermelho + verde na paisagem, que é quase a bandeira da Itália...

Veneza e suas escalas

Imagem
A chegada na Praça São Marcos é uma experiência espacial muito rica. A mudança de escala - da escala das ruas do cotidiano para a monumentalidade - ainda se faz mais curiosa para ex-alunos de Frederico de Holanda, quando aprendemos em sala de aula a importância de entender esses espaços excepcionais. Fizemos o passo a passo igual aprendemos nos apontamentos, e, saindo das ruelas e becos da cidade nos deparamos com o espaço magistral da praça. Ali tudo ficou belo, a Catedral de São Marcos, a Torre, as arcadas e os músicos que arpeavam a nona, décima, vigésima sinfonia de Beethoven e nós apreciávamos aquele espaço singular de Veneza.

Barco-mercado

Imagem
Manhã de sábado, dia forte para a feira do bairro. Passeando pelo centro nos deparamos com uma paisagem muito peculiar de Veneza: um barco-mercado oferecendo pomodoros a preço de banana a quem passasse por ali.

Veneza dos mercados

Imagem
O Grande Canal é a Avenida Principal da cidade. Neste eixo de circulação estão também os principais hotéis, muitos comércios, os mercados mais agitados, museus, residências e salas de concertos numa dinâmica que deixa a paisagem das águas ainda mais agitada.

Veneza das águas

Imagem
Passeando pela manhã, próximo aos jardins da bienal, vimos mais barcos particulares numa ruela mais reservada. A hierarquia aquática da cidade é bem clara como regem as cartilhas da mobilidade.

Veneza das margens

Imagem
Logo na saída da Estação de Santa Lucia pode-se apreciar uma paisagem muito especial, espaço-terra de qualidade pra admirar o espaço-água de Veneza. [Tive que ir na estação comprar as passagens pra Milão e Turim, pois cheguei de avião e o aeroporto também está muito perto deste ponto- 7 km]. Bem curioso observar que o lugar onde as estações de trem estão instaladas ainda é um dos pólos de centralidade mais fortes da cidade, muitos hotéis, alguns jardins e restaurantes ficam ao redor deste ponto.

Estacionamento de gôndolas

Imagem
Estacionamento é tudo igual. É aquela coisa, o pessoal todo vai parando ao lado da calçada, alguns até em fila dupla, não dá nem pra atravessar a rua, ops, o canal direito. Ainda bem que tem as pontes pra evitar o nado.

Gôndolas estacionadas

Imagem
Hoje, 15 de novembro, resolvi me dar um feriado em homenagem ao Brasil (rs...) e vou atualizar o Blog. Tem muitas fotos de Veneza e outras tantas da Bienal de Veneza que fui mês passado. Aos poucos vou postando as fotos... Primeira lição em Veneza é: asfalto é água e carro é gôndola.

Chegada em Veneza

Imagem
Passagem aérea: 70 Euros. Mala pequena: 27 Euros. Aerobus para não chegar atrasado: 5,5 Euros. Lanche correndo no aeroporto: 6,9 Euros. Ir pra Bienal de Arquitetura em Veneza e ainda acertar de que lado ficar no avião pra admirar a ilha da janelinha, não tem preço.

Milão dos encontros

Imagem
Praça do Domo, em frente a Galeria Vittorio Emanuele A Galeria Vittorio Emanuele tem mesmo uma fachada triunfal. O edifício é simbólico pois marca a geração do consumo lado a lado, na mesma praça onde está instaurado o poder religioso, a Catedral do Domo. O engraçado é que numa cidade repleta de galerias, onde o hábito de caminhar torna-se ainda mais agradável [pois ficamos protegidos do vento forte e da chuva, e, às vezes, de um sol quente demais], é a mesma cidade em que o automóvel individual ocupa, também historicamente, um grande espaço nas ruas, fiates de todos os anos, modelos e cores. Próximo ao Teatro no centro, tranvia e transgerações A cidade de Milão também tem a região central servida por pequenos tranvias, e uma razoável malha de metrô [o excesso de carro vê-se mais em bairros for do centro]. Caminhando pelo centro pude cruzar com duas gerações de tranvias e flagar o momento, um estilo bondinho lisboeta (amarelo) e o moderno VLT (verde), modelo invejado por todas

Milão verde e colorida

Imagem
Jardins público e as longas sombras à milanesa Arte no espaço público pra colorir a cidade A cidade tem ruas bastante arborizadas e também guarda dois grandes pulmões verdes no centro cívico: O "Parco Sempione"e o "Giardini Pubblici". Este último foi o nosso ponto escolhido para a visita da tarde, onde vários edifícios importantes (museus, edifícios públicos de interesse arquitetônico, planetário, pinacotecas, etc) ficam periféricos ao parque arborizado. O "Giardini Pubblici" está localizado na região central de Milão e é também um ponto estratégico para a brincadeira da criançada, passeios de charrete ou mesmo só para um breve atalho.

Milão dourada

Imagem
Final da tarde na Praça do Domo. Horário bom pra descansar das compras e saborear um sorvete de pistache. Agora, mais uma vez a praça está cheia e nesse horário (por volta das 18h) o sol apresenta essa cor dourada (a hora do cinema). O curioso é perceber que os raios amarelo-ouro banham a fachada da igreja a 90 graus, declarando que o edifício foi construído perpendicular ao poente, fruto do modelo urbanístico romano "cardus e decumanus maximus", dessa forma e com essa cor, a fachada da catedral fica ainda mais bela.

Milão pra comprar

Imagem
Galeria Vittorio Emanuele, num passeio socrático

Milão é Milão

Imagem
Milão é Milão. Frase conhecida na cidade como uma auto-afirmação da cosmopolita Milão diante do glamour Veneziano e a épica Roma. Conhecer as galerias de Milão deixam o nosso olhar acostumado com outra escala, a Catedral do Domo (foto) é um espetáculo a parte, situada na praça do Domo onde se pode-ver todos os tipos urbanos no espaço público. Milão também tem enormes jardins e parques urbanos, belas pinacotecas e edifícios medievais como o Castelo Sforzesco.