Qual o desempenho ambiental do seu projeto?



As certificações de sustentabilidade e as normas técnicas certamente conformam um novo cenário para a construção civil brasileira. Nos últimos anos foram lançadas novas metodologias, normativas e resoluções que exigem dos projetistas um edifício cada vez mais eficiente e com mais qualidade. Quais metodologias você já conhece e já aplica em seu escritório ou empresa?

No contexto nacional, a Etiqueta PBE Edifica (ou selo de conformidade) apresenta níveis de "A" a "E" para avaliar o grau de eficiência energética de Edifícios tanto comerciais, por meio do Regulamento Técnico do Nível de Eficiência Energética (RTQ-C), quando para edifícios residenciais, por meio do RTQ-R, ambas lançadas pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) e chancelados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - INMETRO. Nos últimos anos, surge a NBR 15.575, que também passa a exigir um maior grau de desempenho para as edificações. A Norma de Desempenho de Edificações, lançada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT tem vários enfoques, desde o térmico até a dimensão construtiva. 

Tanto a Etiqueta PBE Edifica quando a Norma de Desempenho são, portanto, importantes instrumentos que devem fazer parte da praxis do arquiteto e engenheiro. Esses documentos apresentam metodologias específicas que avaliam o grau de eficiência e de desempenho do edifício, cabe aos profissionais da cadeia da construção civil a aplicação de modo adequado das metodologias, tanto em seus métodos prescritivos quando nas suas metodologias computacionais. É dever o profissional responsável a busca por capacitação continuada para o entendimento e aplicação dessas metodologias.

Diante da crise energética, a busca por projetos mais sustentáveis e mais adequados ao clima contribuem para a criação de um novo paradigma na construção civil - o paradigma dos projetos certificados. No entanto, não basta ser certificado. Alerta-se que um projeto certificado não passa a ter um bom desempenho apenas por ter passado pelo processo de certificação, mas quando traz qualidades ambientais desde as primeiras etapas do projeto e uma das formas de incorporar a qualidade ambiental no projeto é conhecer os critérios de desempenho apresentados por essas novas metodologias.

Dessa forma, o resultado certamente será compensador, tanto para o usuário do edifício, que usufruirá de um edifício mais confortável, para o gestor que terá custos energéticos menores, e mais ainda para o meio ambiente. Você está preparado para avaliar o desempenho do seu projeto?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

II Colóquio de Pesquisas com Simulação Computacional no Ambiente Construído

Novos cursos de Simulação: ENVI-met e DesignBuilder

Reflexões sobre o bioma Cerrado